Buscar
  • Diego Camilo

O poder do ator

Atualizado: 14 de Ago de 2020


Livro o poder do ator, descreve os 12 passos da técnica chubuck de atuação. eitura obrigatória para atores.
Qual é seu poder como ator?

Através deste livro você não se sentirá perdido quando receber uma cena para fazer, tendo noção sobre os sentimentos e emoções que deve colocar neste personagem, trazendo coerência e clareza para sua interpretação. Para o mercado publicitário estes são alguns dos obstáculos que percebemos em nosso cotidiano, tendo em vista que um roteiro publicitário é sempre muito curto e vago. Certamente este livro vai te ajudar a encontrar o ponto de atuação ideal demandado pela direção e pela marca contratante.




Esta técnica de atuação levou Brad Pitt e Halle Berry ao Oscar e chega agora ao Brasil traduzida pela atriz Bruna Fachetti. Best-seller do Los Angeles Times, O poder do ator foi publicado em vários países e revela como a Técnica Chubbuck foi capaz de lançar e aperfeiçoar a carreira de grandes artistas como Jim Carrey, Charlize Theron, Eva Mendes, Jared Leto, Jessica Alba. Ivana Chubbuck fundamentou sua técnica nas tradições de ensino de atuação — que remontam diversos autores como Constantin Stanislavski, e em exemplos de textos com uma abordagem teórica e pratica.


Ivana Chubbuck, atriz, professora e coach de atores escreveu este livro para compartilhar com atores tudo o que descobriu em seus estudos sobre atuação. O livro traz uma metodologia com um viés prático a partir de diversas teorias. Um sistema fácil que ensina a analisar roteiros para a construção de um personagem. Doze passos que exploram a realidade cênica, trazendo objetivos ao personagem como um ser que busca superação e alcance de algo maior. Esta busca é o que os espectadores querem assistir em um personagem, uma visão positiva sobre o personagem como alguém que encara circunstâncias para alcançar uma resolução. “O poder do ator” trata da criação do empoderamento do personagem, trata da busca de identificação do público com as histórias de personagens que assim como as pessoas agem em busca de dominar suas próprias vidas, Reverter fracasso em sucesso. Este é o poder do ator.

A o livro está dividido em 12 passos onde ela discorre sobre os pontos chave para a construção de um personagem através do estudo minucioso do roteiro. Selecionamos 8 passos e vamos dividir com você um pouco do que autora trata neste instigante livro.


1º Ferramenta: Objetivo geral.

Tenha em mente aquilo que seu personagem vai buscar durante todo o roteiro. Aquilo que ele mais quer. Trazer este objetivo cria realidade em seu roteiro. Assim na medida em que as cenas vão passando e o ator tem em mente este objetivo geral ele trará mais realidade, beleza e clareza ao personagem.

Mas como definir este objetivo geral? O objetivo geral deve sempre começar com um verbo que expresse uma busca um desejo, uma intenção. Isso não deve ser definido racionalmente, mas definido de acordo com a relação com as cenas, isso deve ser percebido nos ensaios e leituras do roteiro. Para isso o ator deve ler e reler o roteiro várias vezes, para que possa compreender completamente o objetivo geral do personagem na história.


2 º Ferramenta: Objetivo de cena.

O que seu personagem deseja ao longo de cada cena? Ao contrário do objetivo geral, que é o que o personagem mais quer. O Objetivo de cena é algo que tem relação com seu parceiro de cena. Isso deve impulsionar seu parceiro à ação. Está relacionado com a outra pessoa. Ele deve ser o mesmo objetivo durante cada cena.


3 º Ferramenta: Obstáculos.

Os obstáculos são barreiras que dificultam o alcance dos objetivos. Tudo aquilo que o personagem deve superar ou dar a volta. Os obstáculos podem ser físicos, mentais e emocionais. Estes obstáculos não necessariamente estrão explícitos no roteiro, porém cabe ao ator que deve imaginar a vida deste personagem e identificar os obstáculos que o personagem deveria superar.


4 º Ferramenta: Substituição.

Para trazer realismo o ator deve buscar situação em sua vivência que remetam ao mesmo sentimento da cena. Isso é necessário sempre que a cena exija uma carga emocional elevada. Logo, quando não é uma cena que necessite de uma grande carga emocional, esta etapa não é imprescindível. Para isso a autora trás alguns exercícios que auxiliam nesta substituição e sugere tempos ideais para esta exercitação.


5º Ferramenta: Objetos internos.

São imagens, lembranças e eventos marcantes para você que vem a sua mente quando você ouve falar ou fala sobre uma determinada pessoa, situação ou lugar. A autora fala que trazer estes objetos internos traz mais realidade a ação. Eles devem estar relacionados à sua substituição. Esses objetos internos devem ser coisas mais atuais e arriscadas, pois a história ainda não teve um completo desfecho. Então quanto mais atual e vivo isso for para o ator maior será o realismo, pois é algo que ainda está ocorrendo na vida.

6º Ferramenta: Unidades e ações.

A unidade é a mudança de um pensamento dentro de um mesmo contexto. Muitas vezes uma sútil mudança de pensamento do personagem. A autora explica que a mesma fala pode ter diversas intenções que exigem diversas expressões. O Ator deve estar atendo a cada uma destas unidades para trazer em cena a real intenção do personagem em cada unidade de pensamento. A autora ainda traz diversos exemplos práticos que deixam claras as unidades de uma cena que estão implícitas no inconsciente do personagem.


7 º Ferramenta: Momento anterior.

Esta ferramenta tem a finalidade de fortalecer o objetivo de cena. O momento anterior trata do que aconteceu logo antes daquele momento em cena. Isso não está escrito no roteiro, mas cabe ao ator buscar qual foi o momento anterior que incitou a atual atitude do personagem. Todas as ações decorrem de outros acontecimentos e cabe ao ator criar este momento anterior, determinando o acontecimento pessoal anterior antes da cena. Reservando cerca de um minuto para se concentrar no momento anterior a cena como se ele tivesse acabado de acontecer. Lembre-se de detalhes, imaginem sensações, emoções o clima do momento, traga o máximo de detalhes, imaginando algo que tenha alguma relação com suas vivencias reais.


8 º Ferramenta: Lugar e quarta parede.

O ator deve trazer para a cena o lugar onde ela acontece se imagine no ambiente da cena. A quarta parede é uma parede imaginária situada na frente do palco do teatro, ou na câmera de filmagem. A quarta parede é a barreira imaginária que separa os personagens do público. A ação de uma peça, filme ou série acontece dentro dessas quatro paredes. Isso traz maior privacidade e projeta o ator para o ambiente imaginário da cena.


Este é apenas um breve resumo de oito das doze ferramentas apresentadas nesta grandiosa obra. Contudo, se você quer mesmo se profundar no método Chubbuck recomendamos que você faça um estudo aprofundado desta obra com Bruna Fachetti Atriz, Tradutora e Coach licenciada da Técnica Chubbuck Atuação no Brasil.



Saiba mais nas redes sociais

@opoderdoator

@fachetti.bruna





312 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo