Buscar
  • Bruna Fachetti "O Poder do Ator"

A REAL JORNADA DO ATOR

Atualizado: 2 de Ago de 2020

Todo ator já deveria saber disso! Convidamos a coach da Técnica Chubbuck de Atuação, Bruna Fachetti, para compartilhar um pouco de sua jornada desde o início de sua carreia como atriz no Brasil, até se tornar coaching certificada de uma das técnicas de atuação mais renomadas e eficazes de Hollywood. Leia e descubra como a proatividade e a superação são imprecindiveis na carreia artística.

Diego Camilo


"Eu, Bruna Fachetti, natural de Blumenau, Santa Catarina. Jeca, sonhadora, romântica, atriz

Atriz Bruna Fachetti conta sua trajetória como atriz na cidade do rio de janeiro até se certificar como preparadora de atores pelo Estúdio Ivana Chubbuck em LA
Bruna Fachetti

e produtora! Sou daquelas que ponho a mão na massa mesmo, não consigo ficar parada!

Sempre admirei a profissão de atriz e sonhava com ela; como muitos pelo Brasil, desejava escrever minha própria história. Ainda adolescente fiz vários cursos, até a ficha cair que precisava mesmo era me produzir, criar minhas próprias peças, textos, projetos, porque ninguém me contratava, os convites não aconteciam. Não pintava um teste, e eu não conseguia entender por quê.

Muitas pessoas me diziam que eu era louca, que esta era uma carreira onde só quem nascia na "panelinha" poderia prosperar. Que como artista eu não iria longe. Ou ainda, que eu deveria gastar uma grande fortuna com agentes para conseguir me apresentar para testes e oportunidades. Sentia muito medo, afinal aquele monstro que era descrito pelas pessoas na verdade era o meu sonho.



Meu medo era grande, mas minhas vontades eram maiores. Foi então que decidi partir em busca de oportunidades, longe de casa, dos meus amigos e da minha vida. Uma estrangeira no Rio de Janeiro. É assim que eu me senti quando fui pra lá anos atrás. Meu sotaque caipira, minhas roupas de mulher, meus sonhos de menina! Na bagagem, mais coragem do que roupa! Afinal, eu não conhecia praticamente ninguém, estava deixando até meus cachorros para morar numa pensão dividindo quarto, banheiro, geladeira e frustrações. Eu, filha única, que mal sabia cozinhar, estava mais que decidida!


Apesar de todas as dificuldades e incertezas em Copacabana, o mar me conformava, até correr na areia tornou-se uma benção, algo que eu antes nunca faria, dada a minha preguiça. Eu era pura felicidade e gratidão... Ainda estava longe de conquistar meus sonhos, mas nunca tinha estado tão perto deles!


E aí a dona da pensão quebrou o osso do púbis na missa. Ela tinha mais de 90 anos na época. E eu tive que sair de lá pra ter meu próprio quarto no Leme, com outros artistas e uma vista linda... Mais uma vez a voz daquelas pessoas que diziam “ser impossível” ressoou na minha cabeça.

Nós fomos despejados.

Sim, eu paguei o aluguel, mas o responsável não pagava o condomínio há anos. Foi o porteiro que me avisou pra ajeitar as coisas. Eu não falei nada para o meu pai nem pra minha mãe na época, porque tinha medo, voltar pra casa não era uma opção!!



A realidade bateu na minha porta inúmeras vezes enquanto eu chorava no banheiro. Persistir talvez seja a minha maior qualidade. Passei mais uns bons trancos e barrancos até entender que meus pais são meus amigos. Minha mãe me ajudou a conquistar minha última morada no Rio, onde eu vivi e batalhei. Entre erros e acertos, descobri que o RJ não era mesmo para os fracos, ao mesmo tempo descobri que eu era forte o suficiente para ir ainda mais longe em busca das minhas realizações.


Às vezes não se trata de ter um talento extraordinário, mas de lutar e persistir. Foi isto que eu aprendi com a Ivana Chubbuck, ao conhecer seu livro “The Power of the Actor”. E por isso me identifiquei com a sua técnica, era tudo o que eu mais precisava naquele momento, saber analisar textos e fazer escolhas fortes e empoderadas! Aprendi que, usando minhas dores como as cores que colorem a minha arte, eu sou uma artista e um ser humano de potencial infinito, extraordinário e único!


Não podia guardar aquilo só para mim, queria compartilhar com as outras pessoas que também passaram pelas mesmas provações que eu. Foi então que entrei em contato com a autora. Logo eu, uma artista brasileira lá do sul e sem grande currículo. Para minha surpresa, ela falou: “Sim, sempre quis ter o meu livro traduzido na América do Sul, o Brasil é um país enorme e isto seria maravilhoso”. Ela me abriu as portas para que eu pudesse correr na frente e realizar isso! Eu, que nunca soube analisar ou interpretar um roteiro sozinha, agora estava com um best-seller nas mãos para traduzir para outros atores brasileiros.


Eu não sou tradutora formada, nem era formada em Letras! Mas sempre fui artista de corpo, alma e vocação, e sabia que aquele livro poderia ajudar qualquer pessoa a atuar, pois era muito mais que um livro, uma técnica que reunia tudo o que eu havia estudado em um conjunto de 12 ferramentas altamente eficazes e práticas.

Com o tempo livre e o apoio que recebi de pais e amigos, consegui dedicar-me à tradução de “O Poder do Ator” por conta própria. Enquanto isso, eu ia atrás de editoras. Eu não tinha contato nenhum com elas, pesquisava e contactava com a cara e a coragem. Pensava comigo, quando a gente quer fazer alguma coisa, a gente encontra como fazer! Mandei o material para várias editoras, anos se passaram até que a Editora Record se interessou em comprar os direitos autorais para publicar o livro e... A minha tradução!!!

Após seis anos vivendo no RIO, parti para Los Angeles para me aperfeiçoar na técnica Chubbuck de atuação com a própria Ivana, onde atualmente me encontro por vontade própria, mas também por conta da pandemia, que mudou meus planos de retorno.

Uma pandemia mundial, quem diria... Esta história podia ser ficção, mas é minha mesma.

Eu sempre tive um encantamento por Hollywood... Pelo Rio também! Aqui em LA aprendi que um vencedor tenta vencer, uma vítima aceita a derrota. Eu nunca quis ser uma coitada, embora tenha me comportado inúmeras vezes como tal. O Rio ainda é minha morada no Brasil, e hoje eu vejo que a cidade maravilhosa depende muito mais do meu estado de espírito do que de qualquer coisa externa. E o meu estado de espírito depende de como eu encaro o que me acontece e o que eu escolho fazer com isto.

Bruna Fachetti e Ivana Chubuk em seu estúdio, Los Angeles

Hoje vejo todas as dificuldades que enfrentei como parte de um plano maior. Posso dizer que sou autora e escrevo a minha história. Aquela menina que antes sonhava, hoje pode ajudar outros profissionais a contarem suas histórias também! É bem trabalhoso, mas como atriz, autora, produtora e professora da técnica Chubbuck de atuação, hoje eu escolho o que dizer e fazer, quando e como. Tudo o que depende de mim eu faço!

Minha missão, neste momento, é empoderar os outros para me empoderar. Das pessoas de sucesso que eu conheço, tem muito trabalho e gente por trás. “Sozinho você vai mais rápido, junto você vai mais longe”. Eu adoro uma parceria! E todas essas pessoas procuraram ser úteis e focar na solução ao invés do problema. Eu ensino isto como professora da técnica Chubbuck, que é pra eu poder me lembrar. Acredito mesmo que somos melhores artistas quando crescemos como seres humanos, e vice versa. E você, que história tem escrito?

Bruna Fachetti

Atriz, autora, produtora e professora da técnica Chubbuck de atuação

Los Angeles, junho de 2020"







181 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo